terça-feira, abril 26, 2011

A busca

No alto do morro, à beira do mar. Torre alta, branca, redonda e velha. No alto um farol. A luz gira sobre o mar e sobre a terra. Mesmo assim não há ninguém a ser guiado. Tudo deserto. Mesa, xícara, telegrama, foto. O velho segura a foto. Nela há um jovem ao seu lado. Toma um gole de café. Guarda a foto no bolso do casaco. Pega o telegrama. Passa-lhe os olhos. Comprime os lábios. Amassa o papel e joga-o longe. O farol apaga. A mala é colocada no chão. A chave gira na fechadura. O martelo sobe e desce três vezes. O prego prende uma folha de papel na porta. O velho desce a ladeira carregando sua mala. O mundo fica mais claro e mais nítido, mas não há brilho. O sol ainda se esconde atrás das nuvens.
A torre branca brilha ao sol da manhã. O carro para ao pé do morro. A estrada termina ali. Um homem sai do carro. Passa a mão no rosto pra tirar o suor. Bate à porta. Uma, duas, três vezes. Nada. Afasta-se. Olha pra o alto da torre enquanto a circula. Ninguém. Entre o farol e o mar para em frente a um velho banco de madeira. Senta. Pega uma pedra. Olha pro mar. Respira fundo. Levanta-se, joga a pedra em direção ao oceano. Aperta a buzina. Várias vezes. Longa, curta, contínua. Nada. Desiste. Da carteira puxa uma foto. Ele e um velho. Guarda a foto. Olha uma última vez pra torre e vai embora.
- Sim eu posso levá-lo até ele.
Embarcaram no carro e seguiram pela rua de paralelepípedos. Passou o campo de futebol, a escola, o restaurante, a praça, prefeitura, farmácia, igreja matriz. Seguiu em frente. Menos casas, mais espaços. Lá a frente, no alto o cemitério.
- É aqui que ele está.
Saiu do carro. Com passos trôpegos percorreu os corredores olhando para as lápides. Andou por um tempo parando aqui e ali. Uma lágrima correu. Num casebre escrito zelador bateu à porta. Um velho atendeu.
Então a busca terminou.

Conto escrito para o blogue "Duelo de escritores"

Quer ganhar um livro infantil? Clique aqui e saiba como participar do concurso. 

Gostou do texto? Cadastre-se ali no topo à esquerda e receba posts no seu email. É grátis!

14 comentários:

  1. Que ótimo texto! Uma ótima descrição!

    ResponderExcluir
  2. Tchê... que história legal que tu escreveu...

    gosto de textos assim, com duas perspectivas... acho bem interessante...

    parabéns.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Roberta fico feliz que tenhas gostado.
    Um abraço moça.

    ResponderExcluir
  4. Gaudério eu também gosto de histórias com várias perspectivas. Lembra a gente que no mundo há muito mais do que aquio que os nossos olhos veem.
    Um abraço rapaz.

    ResponderExcluir
  5. Bom conjunto de imagens.
    Abraço

    ResponderExcluir
  6. Que lindo! Parabéns! Texto maravilhoso! :D
    beijos
    ;)

    ResponderExcluir
  7. Antes que tu penses que eu não li, o "lindo" foi no sentido de que eu acho linda a maneira que tu escreves, tá? E não que a história em si seja fofa e feliz. hahaha
    =*

    ResponderExcluir
  8. O dia 9 de maio tá chegando.... eba!! :>

    ResponderExcluir
  9. L. S. Hitchcock,

    fiquei pensando se o velho era o pai e se o homem era o filho, e no final continuei sem saber.

    Muito bom!

    ResponderExcluir
  10. É disso que gosto, saber os pormenores de uma vida.

    ResponderExcluir
  11. Carlos a idéia era mesmo trabalhar apenas com imagens. Quase consegui.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  12. Raíssa obrigado. Fico feliz com a sua preocupação. E quanto ao final feliz ou infeliz, isso eu deixo pro leitor decidir.
    Um abraço moça.

    ResponderExcluir
  13. Cris assim você me faz sorrir de satisfação.
    Um abraço moça.

    ResponderExcluir
  14. Peron vidas são sempre interessantes. Um abraço moça.

    ResponderExcluir

Se você se deu ao trabalho de escrever então nós iremos responder.