terça-feira, dezembro 16, 2008

Pais e filhos Nº 03. Ganhando dinheiro



A mãe e a filha de quatro anos na varanda montando uma paisagem utilizando conchinhas catadas na praia. Durante a pintura do quadro a mãe diz:


- Vamos dar de presente pra vovó?


- Como assim?


- Dar pra ela.


- De graça?


- É.


- Mas eu queria vender!



Gostou do texto? Cadastre-se ali no topo à esquerda e receba mais posts no seu e-mail. É grátis!

23 comentários:

  1. Já estava a pensar no negócio! lol

    ResponderExcluir
  2. Creio que puxou pro lado da vó materna. Sabe como são os alemães: O que é teu, é teu, mas o que é meu é meu e tira a mão daí.
    Um abraço Andreia.

    ResponderExcluir
  3. É os nossos tempos.

    Em Portugal saiu um livro cujo título ficou histórico. Era assim; "Já não há almoços Grátis".

    Um abraço
    Feliz Natal

    ResponderExcluir
  4. Carlos eu fiquei chocado na hora, pois de onde uma criança tira uma idéia dessas?
    Depois eu vou jogar esse título no goolge e ver o que aparece.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. A nina tava certa, olha a Neide quando tinha uns 5 anos, a minha Madrinha apanhou-nos lá na aldeia e já ia fazer a faxina da sala enorme com cadeiras antigas e pesadas e disse prá neide; neidinha, se me limpares o pó nessas cadeiras (umas 12) eu pago-te no fim...a neide ficou contente, era dinheiro pró melaheiro, mas antes de aceitar o negócio perguntou; e quanto me dás por cada uma? e a madrinha; dou-te dois tostões por cada...a neide foi buscar um caderno e um lápis, sentou-se na mesa (ainda estou a ver a coisa) (5 anos!)já andava na primeira classe,desde Setembro, fez as contas e disse; dá xis, não, assim não quero, só me pagavas esse dinheiro por tanta trabalheira e 12 cadeiras? não, é muito barato, não faço!..a madrinha subiu a parada para o dobro e assim; aceitou, ora, chamem-lhes burras...ehhh é o negócio e mais nada, claro que a uma avó não se cobra nada...Beijinhos.

    ResponderExcluir
  6. Pequenos monstrinhos, mas felizmente nessa idade ainda tem conserto, mais alguns anos assim e ela estará vendendo a mãe. Abraços moço!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Crianças!(?)
    Onde estão as brinacdeiras de esconde-esconde, pega-pega, ciranda, as cantigas cantadas pelas VOVÓS, as histórias contadas pelos avôs, as risadas alegras e sinceras, os machucados nos joelhos...brincar de subir nas àrvores pra catar jabuticaba! Ler Montero Lobato e conquistar o Mundo, como a Emília....mas é culpa delas?
    Dava pra fazer um belo texto, com esse seu post, ainda mais agora perto do Natal, vc fez bem em postar isto aqui.

    Ironizando: Que menina mais capitalista!

    Beijos*

    ResponderExcluir
  9. ahahahah Claro! Numa época destas alguém dá algo de graça? Não senhor! Tudo tem de ser comercializado eheheheh

    A catraia tem queda para o negócio eheheheh

    jinho grandeeeeeee

    ResponderExcluir
  10. Laura tua Neide com certeza não fica nada atrás. Posso dizer que era muito ladina pra idade que tinha. Mesmo assim concordo contigo, à avó não se deve cobrar essas coisas.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Mariana estou trabalhando em cima dela pra ver o que dá. No mínimo eu gostaria que ela tivesse uma relação saudável com o dinheiro. Vamos ver o que o futuro nos trará.
    Um abraço moça.

    ResponderExcluir
  12. Verônica minha filha ainda não pode se queixar da falta desses itens.
    As cantigas os pais cantam, os livros eu leio, Monteiro Lobato ainda está um pouco inacessível pra ela, mas o Ziraldo, Marina Colasanti e a Maria Heloísa Penteado já marcaram presença nas leituras noturnas. De ciranda ela ainda brinca. Só o que tá faltando mesmo é o pega-pega e o pique esconde, falta de irmãos e primos próximos. Mas creio que com um pouco mais de idade isso se resolva.
    Levando em consideração que a educação dela não é tão longe do que se espera para uma criança saudável registro novamente a minha surpresa com a situação descrita no post.
    Um abraço moça e vamos continuar a debater esse tema, pelo visto ele ainda vai render bastante.

    ResponderExcluir
  13. Pascoalita desde que ela não queira comercializar o carinho e o amor, pra mim tudo bem.
    Um abraço moça.

    ResponderExcluir
  14. Talvez tenha aprendido este conceito com a própria vó! Como elas " estragam" os netos! Rsrs Estão sempre comprando-os com mimos e dinheirinho...

    Feliz Natal! Ho HO HO!


    Beijo!

    ResponderExcluir
  15. Sam talvez até tenha um fundo de razão a sua afirmação, visto que no momento em que minha filha ofertou o produto a avó aceitou pagar por ele. Creio que se tivesse se recusado a pagar a menina teria oferecido o quadro de graça.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  16. Acho pesado demais colocar "más intensões" em uma criança de 4 anos. Vejo assim: ela só está refletindo o que vê por aí...

    bj

    ResponderExcluir
  17. Renata poeeivelmente ela está refletindo algo que viu só não sei onde ela viu.
    Um abraço moça.

    ResponderExcluir
  18. Hummmmmmmmm... acho que essa criança será uma futura empresária de sucesso... sem as bases da faculdade já faz negócios... e assim se move economia no mundo.. lol

    :o)))***

    ResponderExcluir
  19. Pearl quem sabe? Se ela se tornar um adulto descente eu já fico feliz.
    Um abraço moça.

    ResponderExcluir
  20. Uma coisa não em ficou clara: Ela queria vender pra a avó ou ela queria vender o quadro simplesmente?

    Pq eu já fiquei muito frustada quando estava fazendo algo com a cabeça em como seria legal vender aquilo e de repente vem algum familiar e toma para si.

    Nunca cobrei nada de gente da família. Na verdade eu tenho muita dificuldade de fazer isso até profissionalmente.

    ResponderExcluir
  21. Grivicich; minha filha tem só 04 anos e não se relaciona com muitas pessoas que não sejam da família. Como estavamos na casa da Vó eu imagino que a intenção dela fosse vender pra mimnha sogra.
    E quanto a esse negócio de estipular preço e cobrar pelo serviço prestado você não é a única a ter problemas. Eu mesmo não consigo botar preço em qualquer coisa que eu faça. É mais fácil eu dar de presente do que cobrar por um trabalho.
    Beijos moça.

    ResponderExcluir
  22. kkkkkkkkkkkk
    adorei! Abraço.

    ResponderExcluir
  23. Cleyton fico feliz que tenhas gostado.
    Um abraço e volte sempre.

    ResponderExcluir

Se você se deu ao trabalho de escrever então nós iremos responder.