terça-feira, agosto 09, 2011

Goiabeira

É fato que eu sempre acreditei que uma casa para ter direito a usar esse nome deveria ter obrigatoriamente em seu quintal um pé de limão. Afinal o limoeiro é um provedor por natureza. Caipirinha, tempero, chá, suco, detergente, desodorante, etc. Tudo isso o limão nos dá e ainda mais. Por isso não consigo visualizar uma vida tranqüila sem ter essa árvore por perto. Mas isso todo mundo sabe. A novidade surgiu-me no final de semana na casa do meu sogro.
A goiabeira. Com toda a certeza não é tão útil quanto o limoeiro, mas depois de ver a minha filha brincando de balanço e subindo nos galhos. Rindo feliz e despreocupada. Fez-me lembrar que um dia eu já tive uma goiabeira no meu quintal. E que aqueles foram dias felizes. A árvore não foi responsável por tudo, mas fez a sua contribuição. Forneceu brincadeiras, frutas e até galhos para reforço educacional lá em casa.
Baseado nessas lembranças é que afirmo:

Uma casa precisa de um limoeiro.
Uma casa com crianças precisa de um limoeiro e uma goiabeira.

Gostou do texto? Cadastre-se ali no topo à esquerda e receba posts no seu email. É grátis!

14 comentários:

  1. Na minha infância eu vivia no pé de goiabas e no pé de seriguelas da casa da minha vó. Infelizmente eles não existem mais...
    É sim um pedaço feliz da infância...

    ResponderExcluir
  2. Na minha infância o quintal era abastado: goiabeira, abacateiro,cana, mas o principal era o jambeiro. Hoje só restou alvenaria e casas que ocuparam o terreno de 15 x 75m. Tive que ser feliz de outra forma! Abraços! Adorei o texto, me fez sentir cheiro de infância

    ResponderExcluir
  3. Roberta eu também tive essa alegria e hoje vejo a falta que uma simples árvore faz na vida da gente.
    Um abraço moça.

    ResponderExcluir
  4. Claudiana o seu deve ter sido um quintal muito feliz. Não que não precisemos de casas e concreto, mas o verde faz tanta falta. Ainda mais para os pequenos.
    Um abraço moça.

    ResponderExcluir
  5. Caramba!! Acho que é o momento em que eu percebo que valeu apena ter crescido. É nessa fase adulta que vemos o quanto a nossa infância foi boa, pq enquanto a vivíamos -pelo menos eu- achávamos que era chata, sem novidade, fazia planos pra fase adulta.

    Também tive uma goiabeira, e era uma "senhora" goiabeira. Com direito a casa na árvore. Lá eramos reis, meus primos e eu.

    Nunca ninguém, além de nós, tinha coragem para subir, e a goiaba era deliciosa [o que é raro hoje, encontrar uma goiabeira com boas goiabas].

    Na minha opinião, para uma casa ter o nome e o sentido de "lar" é importantíssimo que nela tenha um quintal, não concretado e crianças para brincar, e adultos que participem na construção das histórias, dos mundos que surgirão naquele universos paralelo que fica atrás de casa.

    Que doces lembranças tive agora. xD
    Obrigada pelas visitas.

    ResponderExcluir
  6. E hoje nem as pessoas que olhavam pras mesmas árvores, vivem mais. Ah que saudades da goiabeira!

    ResponderExcluir
  7. Peron como você disse para um lar é preciso um quintal e adultos que participem. Dos dois não sei qual é o mais difícil de se encontrar no mundo.
    Um abraço moça e obrigado por compartilhar um pouco da sua infância conosco.

    ResponderExcluir
  8. Até tu Cris.
    Beijos moça.

    ResponderExcluir
  9. Puxa, mermão, mas que coisa linda, já agora também quero um pé de goiabeira no meu quintal, limoeiro todo mundo tem lá, mas aqui a goiabeira não se dá, temos muito frio e neve e ela não gosta..adoro goiaba especialmente o suco, maravilhaaaaaaa, achei piada aos ramos dessa árvore milagrosa que ensinava boas maneiras aos meninos marotos.

    beijitos

    laura

    ResponderExcluir
  10. Gostei de ver aqui o relato de cada um sobre uma parte da infância. Depois da chuva, eu ia para a lama. Adorava pegar a terra molhada e mole nas mãos e fazer "artes" com ela. Se havia árvores perto de mim, elas ganhavam uma "nova roupa": "colava" a lama nos troncos. E tive uma infância feliz. Valeu o seu post!

    ResponderExcluir
  11. Laura hoje as pessoas podem não acreditar, mas aqueles galhos ajudaram a me ensinar muitas coisas.
    Beijos moça.

    ResponderExcluir
  12. Lu quem devia gostar dessas tuas artes era a tua mãe que depois tinha que encarar o tanque e aquele monte de roupa enlameada.
    Um abraço moça.

    ResponderExcluir
  13. Bah... eu não ia comentar, mas aí comecei a lembrar do que tinha no pátio de casa e como eu gostava de tá no pátio "caçando" laranjas e bergamotas pra comer... e tinha abacateiro tbm, mas esses eu não gostava, só usava os que caíam pra ficar chutando pra um lado e outro até que eles se demolirem... heheh

    depois fui morar com meus avós e aí só tinha uma pitangueira... aprendi a comer e gostar de pitangas com um tio meu que chegava lá e ia reto à pitangueira... eu ia junto de metido mesmo e acabei aprendendo a comer pitanga... mt bom por sinal, mas mancha as roupas... hehe

    Acho que teu texto causou o mesmo efeito em todos nós: lembranças da infância... hehe.

    Legal isso, como ressaltou a Lu.

    Abraço, Luciano!

    ResponderExcluir
  14. Gomelli fiquei feliz em conhecer um pouco da sua infãncia também. Parece que todos que passaram aqui deixaram um pouquinho de suas histórias.
    Um abraço e boas pitangas pra ti.

    ResponderExcluir

Se você se deu ao trabalho de escrever então nós iremos responder.