quarta-feira, outubro 29, 2008

Ayua. Parte I

O conto abaixo escrevi durante a semana passada após ser inspirado pelo trabalho da Lidia Brown do blog Delírios, sonhos, artes, ilustrações, design, escritos espero que confiram o trabalho dela e que apreciem o conto. E para acalmar os mais ansiosos informo que a história está dividida em três partes.




Acordou? Talvez. Ainda não sabia ao certo. Pelo menos abrira os olhos. Demorou algum tempo até acostumar-se com a escuridão e tomar consciência de onde se encontrava. Logo notou que não estava mais sozinho. A criatura estranha que surgira diante de si lembrava algo como um arlequim com o rosto deformado. Um palhaço de preto e branco. Uma aparição terrível para àquelas horas da madrugada. Apesar de um arrepio percorrer-lhe a espinha ele sabia que não devia temer. Aquilo era um sonho. Disso ele tinha quase certeza. Mesmo assim o medo não o abandonou. Pensou em fechar os olhos e ignorar a aparição, porém, sua curiosidade foi maior que o medo. E lutando contra toda a sua racionalidade não foi sem esforço que dirigiu sua voz ao estranho:
- Quem é você?
- Não tenha medo. Não vim para lhe fazer o mal. Sou uma entidade de outros planos existenciais. Vagava sempre solitário até que o encontrei. Desde então venho acompanhando os seus sonhos. Observando suas aventuras, alegrias e tristezas. Tudo isso me fez muito bem. Tanto é que agora resolvi que devemos estabelecer um contato mais estreito entre nós.
A voz parecia não vir do corpo, simplesmente surgia dentro da sua cabeça como se fosse um pensamento que lhe pertencesse. E isso só serviu para reforçar a impressão de fantasia que a cena inspirava.
- Eu estou sonhando? Não é?
- Sim, entretanto isso não faz muita diferença agora - esgarçou o rosto num arremedo de sorriso. O que deveria ser um gesto tranqüilizador só conseguiu infundir mais apreensão àquela situação.
Apesar de alto e esguio o corpo do visitante parecia dominar todo o espaço contido no quarto. Mesclando-se as sombras pré-existentes. Diluíndo-se em nada e tomando conta de tudo. O corpo era humano. Ao menos assim parecia. A cabeça, no entanto, era uma massa mutante que oscilava constantemente. Olhos, orelhas, boca e nariz passeavam a esmo como se estivessem dentro de um líquido em constante ebulição. Trazendo à memória uma pintura cubista. De qualquer forma aquilo não poderia existir no mundo de verdade. Com esse raciocínio em mente o dono da casa fez todo o possível para despertar e libertar-se daquele pesadelo. Porém não conseguia notar nenhuma mudança no seu estado de consciência. O suor grudava o seu corpo no lençol. E a respiração tornou-se irregular. O visitante, imóvel, observava-o se debater na cama e com paciência esperava que ele parasse com aqueles procedimentos inócuos e ridículos.
- O que você fez comigo?Vai embora! Me deixa em paz.
- Por favor, não resista. Nós podemos tornar isso o menos doloroso possível.

Continua...

Gostou do texto? Cadastre-se ali no topo à esquerda e receba mais posts no seu e-mail. É grátis!

8 comentários:

  1. E depois? e ele conseguiu reconhecer o espirito, e ele depois adormeceu de novo ou ficou acordado com medo e ele ele e ele...arre menino, conte o resto amanhã..beijinhos....

    ResponderExcluir
  2. Vamos ver no q dá essa alucinação! Já tava sentindo falta dos teus contos.

    1 abraço.

    ResponderExcluir
  3. Estou ansiosa pela continuação...
    Quando comecei a ler, olhei para o texto na integra e fiquei com um bocado de preguiça... mas depois pensei que queria mesmo ler... e linha a linha fui-me entusiasmando mais e mais, e fiquei com sede do resto...espero que postes depressa!!!

    :o)))***

    ResponderExcluir
  4. Laura prefiro colocar o texto ao poucos, nem tanto pelo suspense, é mais uma questão de que textos muito longos são ruins de ler no computador.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Jefferson realmente eu andei muito vadio por esses dias. Agora espero por as mãos a obra com mais regularidade.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Pearl que bom que a vontade venceu o cansaço. Pronto a segunda parte já está disponível.
    Um abraço moça.

    ResponderExcluir
  7. Amigo!

    Feliz com a sua " aparição"! Rsrsrs

    Demorei o retorno porque no dia das bruxas, alguma malvada me escolheu para acabar com o meu HD rsrs.


    Subindo!↑

    ResponderExcluir
  8. Com vista a dar “voz” aos novos autores, o Portal Lisboa estabeleceu uma iniciativa única, no campo da criação literária portuguesa.

    Neste sentido, o Portal Lisboa vai apadrinhar duas colectâneas literárias, uma de Poesia e outra de Contos Literários, a serem editadas pela Chiado Editora.

    Gostava de ver os seus textos publicados por uma editora de prestígio? Tem aqui a sua oportunidade!

    Descubra mais no site: www.portallisboa.net

    ResponderExcluir

Se você se deu ao trabalho de escrever então nós iremos responder.