quinta-feira, fevereiro 28, 2008

O negócio é escrever

O negócio é escrever.
Alguns têm amigos que os ouvem por horas e horas a fio. Discorrendo sobre seus problemas e infortúnios. As perseguições e as armadilhas que a vida apronta. Ensopando o ombro do fiel companheiro com lágrimas e mais lágrimas enquanto conta como é uma pessoa desgraçada e infeliz.
Outros gastam o seu tempo e seu dinheiro em consultas com psicólogos. Ficam lá confortáveis, pagando um ombro de aluguel. Isso é coisa pra quem não tem amor ao dinheiro. Paga, paga, paga e não resolve nada. Aliás, nada contra os profissionais da área. Afinal cada doido com a sua mania. Só que é meio estranho você pagar para ouvir um cara dizer aquilo que você já sabia antes de falar com ele.
A igreja às vezes ajuda os que têm vergonha dos fatos de sua vida. Mas mesmo assim são poucos os que conseguem aproveitar-se dessa ajuda. Na maior parte do tempo ficam enganando a si mesmos. Entre um culto ou outro. Confessam seus pecados publicamente, só os mais leves é claro. E continuam carregando o peso de serem os únicos sabedores daquela verdade. Daquele fato vergonhoso. Que tentam, tentam, mas não conseguem exorcizar.
Existem aqueles que não falam nada com ninguém. Nem amigos, nem psicólogos. Esses são perigosos. Muito provavelmente loucos. A vida é algo muito forte pra uma pessoa sobreviver sozinha. É muita informação e muitos golpes pra pessoa agüentar sem desabafar com ninguém.
Eu não sigo nenhum dos casos acima. Atuo de forma diferente pra manter a minha sanidade. Escrevo e deixo fluir no papel a confusão que me vai na mente e na vida. Amigos já não os tenho faz tempo. Psicólogos não devem contar com o meu dinheiro. Pois não vou pagar pra descobrir o que já sei. Minha fé já não é a mesma faz muito. Resta-me o papel. Pois este aceita tudo e não reclama, não contesta e não exige pagamento. Meus medos e meus pecados libero-os aqui. Em forma de relato ou mesmo de uma fantasia. Que outros os leiam. Não cabe a mim, decidir o que revelar ao mundo ou não. Muito menos explicar o que é real e o que ficção. Minha obrigação é para comigo e com a minha consciência. Quebro a solidão com as palavras que deixo anotadas por ai. Se elas têm valor ou não? Isso não é problema meu. Tudo o que preciso é aliviar a pressão do dia a dia. Deixar que as idéias saiam da caixa craniana antes que esta exploda. A escrita é uma forma de libertação. Independentemente de escrever bem ou mal. O que importa é transcrever as idéias os pensamentos. Purgar a alma. Fazer uma faxina na mente. É interessante quando anos depois você retorna ao que foi escrito e percebe as mudanças que ocorreram com o seu modo de pensar.
Recomendo a todos que na mesma situação que eu, ou não, que escrevam. Escrevam muito e assim libertem sua alma.
Pra mim deu certo. Espero que pra vocês também.

28 comentários:

  1. Incrivel!
    Tantas verdades....
    O papel deve ser o que mais disparate vê, barbaridades, certezas, verdades e não pode reclamar do mau nem elogiar o bom....

    Para isso existe a censura humana e preconceito...

    beijos

    costumo deitar no sofá mas não é de psiquiatra....

    ResponderExcluir
  2. Foxy é por aí mesmo. Agora fiquei pensando em quanto o papel é indefeso. Não pode fugir, nem reclamar e muito menos apagar as barbaridades que lhe deitamos ao corpo. Será cheia de angústia a existência do papel? Ficará feliz o papel quando lhe escrevem algo de mérito o? Ou tudo que ele nos deixa é a sua indiferença?
    ...
    Moça beijos pra você. E pra sorte dos psiquiatras é bom que continue a deitar-se em outros sítios.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Andréia e um bom final de semana pra vocês também.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Tem gente que vai ao psicólogo sem saber mesmo.
    Tem gente que vai sabendo, como no meu caso, mas é só pra confirmar se tava certo ;). Quase como um revisor ortográfico. :P

    Haha! Antes eu não falava nada com ninguém, aí eu passei a escrever num blog, aí eu fiquei feliz, só que depois fiquei infeliz e comecei a me desabafar com uma pessoa só, que não aguentou, fiquei mais infleiz e fui desabafar com meus amigos, aí eles não aguentaram, aí fui gastar dinheiro com um psicólogo, ele entrou de férias, então voltei a escrever num blog.

    Escrever sem dúvida é a melhor coisa. Mas to gostando de conversar com ele, já que não escrevi nada nos últimos 3 anos, e pelo fato de poder mandar ele ir pastar sem me sentir culpada. :P

    O papel às vezes parece ser cruel comigo.

    ResponderExcluir
  5. Grivicich já tive meus dias de ombro amigo. Mas no fundo ninguém aguenta essa condição por muito tempo. Assim como não suportamos ouvir por muito tempo ao mesmo tempo queremos falar sem parar. Achar um meio termo para não afastar os amigos é uma tarefa demorada, entretanto muito recompensadora.
    Espero que quando ele retorne das férias você não abandone a blogosfera. Gostei de te ver por aqui.
    A propósito, de que forma o papel é cruel contigo?
    Um abraço moça.

    ResponderExcluir
  6. Eu concordo com você.
    Nada contra os profissionais da área, mas eu prefiro um ombro amigo ou uma boa e velha caneta.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Depois que jogo o que está na minha cabeça pro papel não há como fugir, ele fica gritando pra mim "Haha! Você é assim na realidade! Te peguei!" Às vezes chego a conclusões aterradoras e está lá tudo escrito.
    Não pretendo cometer o mesmo erro do passado. E eu já voltei a ter sessões. Troquei minha última terapeuta por um flog. O flog não fez o trabalho lá muito bem, mas ela estava fazendo pior.

    Andei respondendo alguns recados seus nos meus comentários, se te interessar ;)

    Bom fim de semana procê.

    ResponderExcluir
  8. Quanta verdade,meu amigo...mas nada há como um bom amigo que escute e partilhe a nossa dor ou alegria, claro que não tira o gostar de escrever, mesmo sendo como desabafo,é um dom mesmo,e o tens bem de raiz...

    Gostei de voltar...

    Bjca doce

    ResponderExcluir
  9. Nino, quem dera que escrever, neste momento aliviasse os meus problemas tão grandes!... eu escrevo todos os dias, é mails é cartas é blogues e os meus probleminhas continuam no mesmo lugar!...bom era que escrevendo eles sumissem, ams nem é bem assim...
    Agora se fazem bem as escritas os desabafos no papel, claro que sim e é algo que resulta em aprendizado, mais tarde. Beijinhos pra vc e nada de psiquiatras..o dinheiro custa a ganhar...
    beijinhos.

    ResponderExcluir
  10. Sabe, guri, você falou sobre algo que eu já defendo a tempos e até criei um nome (hihihi)... É a blogueterapia... Nada me ajuda mais do que escrever e ler os demais...

    Besos!

    ResponderExcluir
  11. Escrever para mim, tbm tem esse tom libertador! É um alívio... faz bem, não custa nada e caso decida tornar público, ainda pode servir para mais alguém..

    E concordo plenamente com vc: A vida é algo muito forte pra uma pessoa sobreviver sozinha. Quem aguenta?!Preciso dividir isso que sinto e penso...nem que seja com o papel!rs...

    Um abraço! E obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  12. Babi como os amigos andam raros ando despejando as mágoas pela caneta e pelo teclado.
    Beijos moça.

    ResponderExcluir
  13. Grivi obrigado por responder. Já passei lá e conferi as respostas.
    Um abraço moça.

    ResponderExcluir
  14. Collybry fico feliz com o seu retorno. Beijos moça.

    ResponderExcluir
  15. Enxaqueca e aí tá afim de decolar um troco? Vamos criar um consultório bloguistico. Vamos atender via blogue. As pessoas deixam comentários e a gente faz a análise e depois manda a conta pra eles. Que tal?
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  16. Laurinha eu também e escrevo e meus problemas não desaparecem, mas que a alma se alivía, ah, isso é verdade.
    Beijos moça.

    ResponderExcluir
  17. Sah fico feliz em saber que não sou o único que gosta de partilhar suas idéias.
    Gostei da sua visita. Volte sempre.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  18. eu não consigo ler muitas coisas que escrevi no passado, sinto repúdio, me sinto estranha, porque na maioria das vezes me acho boba.

    mas concordo que essa seja a melhor terapia, porque em amigos eu já não confio... fui me transformando, e cheguei aos 27 anos de idade assim: uma pessoa descrente de (quase) tudo, dos seres humanos, e das instituições que eles criaram.

    ResponderExcluir
  19. Oi,
    mais uma vez não concordo ctgo. É certo que o papel é um ótimo escape para libertarmos tdo o que nos passa pela mente ou para aliviarmos a dor. Mas os amigos são essenciais! O ideal seria encontrar um equílibrio. Não acho que se deva menosprezar um ombro amigo e tb acho que devemos ser pacientes qdo alguém vem ter connosco em busca de um ombro amigo. Mesmo que esse alguém nos faça ouvir a mesma história vezes sem conta...
    Beijos

    ResponderExcluir
  20. escrever escrever escrever!
    A libertação.
    A linguagem, o grande passo do ser humano...a expressão em palavras, a vida em letras, tudo ou nada em letras!
    A vida também é escrever, cada passo é uma letra...juntas um texto!
    Sim, o ser humano é a própria máquina de letras, é a propria palavra pois sozinha ela seria só mais alguma coisa fútil inventada, mas nó não fomos inventados, certo? Nós inventamos,

    "Enquanto eu tiver perguntas e não houver respostas... continuarei a escrever"

    Sim, talvez eu escreva só por escrever, mas em cada letra há algo de mim, e talvez algo de quem lê.

    beijos

    ResponderExcluir
  21. Esse post me lembrou a letra de uma música que eu gosto muito. Ela diz:

    "2 am and I'm still awake, writing a song
    If I get it all down on paper
    It's no longer inside of me, threatening the life it belongs to
    And I feel like I'm naked in front of the crowd
    Cause these words are my diary, screaming out loud
    And I know that you'll use them, however you want to"

    TRADUÇÃO:

    "2 da manhã, e eu ainda estou acordada, escrevendo uma canção
    Se eu puser tudo em um papel
    Não estará mais dentro de mim, ameçando a vida a qual ela pertence
    E me sinto nua diante da multidão
    Porque essas palavras são meu diário gritando
    E eu sei que você vai usá-las como quiser"

    ResponderExcluir
  22. Por isso gosto de ler você Luciano. Sempre saio daqui com um algo novo a refletir.
    Concordo plenamente com suas idéias, aliás, mais lúcidas impossível. Eu, como amadora eterna na escrita, admito que desde sempre amei escrever, mas o real efeito é exatamente o que vc disse aí: escrever nos libera e liberta de medos e culpas.
    Muito bom seu texto. Faço suas minhas palavras.

    Um beijão, AMIGO he-he-he! :P

    ResponderExcluir
  23. Cris eu não sei bem porquê, mas esse cinismo também me cerca cada vez mai e mais.
    Beijos moça.

    ResponderExcluir
  24. Clara talvez eu tenha encontrado os amigos errados e você os certos ou você ainda não teve a chance de ser apunhalada pelas costas, mas cada um tem o direito de acreditar no que quiser.
    Um abraço moça.

    ResponderExcluir
  25. Verônica adorei o seu comentário. Por si só já valeria um post.
    Amei o trocadilho com a máquina.
    Beijos e felicidades.

    ResponderExcluir
  26. Alucinógena gostei da ligação que você viu entre o texto e essa música.
    Um abraço moça.

    ResponderExcluir
  27. Dai acho que o melhor a dizer nesse momento é obrigado.

    ResponderExcluir

Se você se deu ao trabalho de escrever então nós iremos responder.