quarta-feira, fevereiro 28, 2007

Verdades?

Chove na cidade. Como é bom. Acho que Deus se lembrou de nós. Ando pelas ruas e a chuva cai levemente sobre o meu rosto. Não me protejo, não me escondo, simplesmente caminho e me delicio com a sensação das pequenas gotas deitando-se sobre a minha face. Olho as pessoas escondidas em baixo de seus guarda-chuvas e sorrio levemente enquanto penso no prazer que estão perdendo. Enquanto caminho me entrego aos meus pensamentos. O corpo se entrega aos prazeres da água enquanto os neurônios trabalham, pelo menos aqueles que sobreviveram ao álcool.
Normalmente, eu evito pensar. Acredito que o pensamento sério e responsável é extremamente prejudicial à saúde, podendo até levar a loucura. Quando você pensa, começa a fazer perguntas, mas quase sempre o ato de perguntar não significa que a pessoa esta pronta para receber as respostas. Felizes são aqueles que ouvem, mas, não escutam, vêem, mas, não enxergam. Pois a ignorância é abrigo, é lugar seguro, onde a alegria faz morada e onde não importam as mudanças do mundo.
Certa vez alguém disse:
“A verdade vos libertará”.
E daí! Grande coisa!
Levante a mão quem sabe ser livre, ou que pelo menos o tenha sido alguma vez na vida. Desde pequenos somos prisioneiros. Primeiro do escroto, depois do útero, dos médicos, da mãe, da família, da escola, da faculdade, da namorada, do emprego, da esposa, dos filhos, da idade, da doença e enfim do caixão. Alguns, ainda, acreditam que depois de mortos seremos prisioneiros do capeta. Não a verdade não liberta. A verdade destrói. Pois o homem não foi criado livre, não nasceu livre e nem sabe o que fazer com a liberdade. A verdade é a grande assassina da esperança. Por que há seis mil anos as verdades são as mesmas e há seis mil anos os homens continuam matando e destruindo e corrompendo, há pessoas ainda morrendo de fome enquanto outros morrem de tédio sem saber o que fazer com toda sua riqueza. A guerra ainda é considerada o melhor meio de fazer a economia crescer. Pode um homem, vendo a verdade, ser feliz? Claro, sabemos que isto é apenas metade da verdade. Mas o problema é que a outra metade, aquela, que fala de paz e amor, fraternidade e união, amai o próximo como a ti mesmo. Muito bem, essa verdade, não dá lucro. Não dá dinheiro, logo não interessa. A menos é claro que você invente um negócio que reuna as pessoas semanalmente, faça-as cantar, chorar, agradecer e pedir. E depois lhes venda a verdade mais óbvia do universo e então os mande de volta pra casa com as consciências e as carteiras mais leves. A verdade está dentro de nós, e não lá fora como diz o “Arquivo X”. Crie coragem e olhe pra dentro de si. Veja a maldade e a corrupção, o medo e o ódio. Não feche os olhos e nem desvie o olhar, pois só assim poderá entender o real peso da verdade.
E é por esses e por outros motivos que eu tento não pensar. Falta-me coragem para encarar o monstro que sou.
A vida dói menos quando não se toma conhecimento das causas da dor.
Chega! Já pensei demais por hoje. Na verdade já pensei demais até pra semana inteira. Agora devo voltar pra minha alienação e pra doce segurança da ignorância. Voltarei para o reino dos tolos, onde todos têm o direito de serem felizes. A chuva cai, lentamente sobre a cidade, e eu fico admirando as gotas que caem do céu sendo iluminadas pelos postes. O frio que agora envolve o meu corpo não traz saudade do tempo que eu suava pelo simples fato de existir. Que chova, que chova muito, e se alagar a cidade, dane-se, compro uma batera e fujo para outro lugar.
O cinza que cobre o céu, o vento que balança as árvores, as gotas que caem, rezo que levem a verdade embora.

17 comentários:

  1. Caro amigo ao ler esse texto me imaginei no teu lugar.Pois sou louca por uma chuvinha caindo de leve sobre o meu corpo.

    Até mesmo quando cai sobre minha cabeça,faz com que meus pensamentos fiquem bem mais originais na escritas e tornam se palavras verdadeiras durante as linhas e na ponta da caneta pura sincridade.


    Pena que poucas pessoas gostam de sentir esse prazer tão gostoso passando dentro de si.


    Um bj.

    ResponderExcluir
  2. Adoro chuva, adoro sol. Cada coisa a seu tempo. Gosto de banho de chuva. Certamente uma das melhores coisas da vida.

    ResponderExcluir
  3. Sei não... Pra mim, a verdade liberta, e gosto disso. Gosto de ser livre para pensar a minha verdade e enxergar a do outro, sem ideologia. Qando não encaro o que é real me sinto atada.
    E a chuva é mesmo o melhor da vida.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. "Gosto de ser livre para pensar a minha verdade e enxergar a do outro, sem ideologia."


    Verdades temos aos montes ai pelo mundo. Assim como temos pessoas que criam as suas verdades. Ou negam as próprias verdades. Pelo sim, pelo não acho melhor cada um escolher a verdade que mais lhe agrada e seguir com ela pela vida.

    ResponderExcluir
  5. Não é por acaso que me tem dado inspiração nestes ultimos dias... Tem estado a chover! Também adoro a chuva! Adoro passear na rua enquanto chove!
    Sim, sempre seremos prisioneiros da verdade da vida! Mas eu liberto-me... nos sonhos! Não é por acaso que me concentro mais no lindo céu cinzento e na chuva a cair que vejo pela janela da minha sala de aula, do que na própria aula!

    Beijo, um texto tão bom como sempre!

    ResponderExcluir
  6. Obrigado Eruanna. Acho que a inspiração que chuva traz é por que a água é uma entidade poderosa.

    ResponderExcluir
  7. Adoro agua em todas as suas formas. A chuva e uma das mais divinais, na pele e uma delicia. Mas confesso que aqui tem chovido tanto que chega a deprimir...tenho momentos de vida em chuva ou em sol. o que interessa mesmo e se por dentro "chovo" ou "solo"...
    Bjs meus

    ResponderExcluir
  8. Não é possível liberdade. Todo conceita, toda definição, toda fuga nos prende. Ser livre é não saber.

    Há quem saiba chover?

    ResponderExcluir
  9. Talvez haja quem chova ou quem faça sol. Mas é bom lembrar que nem toda chuva é triste.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Opinião nº 1: Pró

    Como costumam exclamar aos quatro ventos: Ó santa ignorância!!!

    Dizem que levar uma vida simples é melhor, mais feliz. Se isso é verdade, então ter pensamentos simples deve tornar a pessoa mais feliz também. Sem stress. Como ensina a meditação zen, a mente esvaziada de todos os pensamentos elimina a fonte do sofrimento. Quem pensa mais sofre mais. Sofre por pensar nas alternativas, nos credores, nas opiniões, no futuro e no passado, nos vários pontos de vistas e filosofias, nas verdades veladas e nas reveladas.

    Por isso a arte é considerada uma das formas de escapar da realidade, para podermos aguentar a verdade dura e crua de cada dia. A literatura é o meu escape. É ela que me faz entrar (e não sair) na caverna de Platão. É somente uma cirurgia temporária na mente para que ela não trave quando ver tanta violência, fome, guerra, capitalismo, intolerância, e outras verdades que ela não gostaria de ver.

    ResponderExcluir
  12. Opinião nº2: Contra

    Tudo o que sei é que nada sei. (Platão)

    Conhecimento é poder, é dever fazer. Aqueles que mais sabem e compreendem, mais aptos estão para ajudar (ou prejudicar). Se todos conhecessem as "verdades" por trás de ideologias políticas, religiosas, educacionais etc. será que estas sobreviveriam?

    É preferível ser feliz na pobreza de espírito e da alma a ser concientemente triste por ver os males do mundo? Quem poderá salvar o garotinho que está se afogando: o homem que sabe nadar ou o ao seu lado que não sabe?

    Fugir do conhecimento é fugir da responsabilidade. Irresponsáveis são covardes. Não querem o deles na reta, não querem mudar nada, só levar a vidinha torpe e inútil de sempre.

    O conhecimento não muda só o mundo. Muda a pessoa. Como o citado Platão, ficamos cientes de nossas limitações, nossas falhas, nosso caminho. E mudanças são boas, se o Universo muda sempre, quem sou eu para ficar parado?

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Opinião nº 3: Bandeira branca

    Para não acharem que sou maluco por defender dois lados opostos, saibam que sou discípulo do consenso. Se defendermos cegamente apenas um lado da questão, já perdemos. Tudo é relativo, verdades, opiniões, conhecimentos. Aprender a filtrar aquilo que é bom e útil em nestas dicotomias e conciliá-las é tarefa árdua, mas gratificante.

    ResponderExcluir
  15. Caí aqui e gostei deste texto, por isso sou obrigado ao elogio.

    Achei bom o argumento de que vivemos preso desde o início. Na verdade, acho que há muitas outras formas de prisão. Nosso corpo é uma prisão, se for ver bem.

    E o argumento sobre a liberdade e o que o homem pode fazer com ela também dá muito pano para manga, dá para fazer textos intermináveis com isso.

    Bom, é isso. Abraços!

    ResponderExcluir
  16. Floritibana30/11/07 06:47

    Recebi uma visita sua no meu blog, bateu curiosidade de saber sobre ti e cá estou eu, retribuindo a visita. Você escreve muito bem, filosofa legal também. Esta questão da liberdade ... tem muito que se pensar.
    Obrigada pela visita.
    Parece que somos vizinhos!

    ResponderExcluir
  17. Obrigado por retribuir a visita. Com certeza acho todos nós em um momento ou outro pensamos sobre a liberdade.
    Espero novas visitas suas.
    E creio mesmo que somos vizinhos.

    ResponderExcluir

Se você se deu ao trabalho de escrever então nós iremos responder.